Dicas de Viagem

A escolha certa
  • Escolha agências especializadas no destino que você optou. Exija bom atendimento. Descubra outras pessoas que viajaram pela mesma agência para conhecer antes a qualidade dos serviços. Não aceite tratamento impessoal ou falta de informações Há sempre uma agência concorrente que pode oferecer um serviço melhor. Você está pagando e precisa ser tratado como um cliente.
  • Informe-se sobre as companhias aéreas que vão ao destino pois elas oferecem serviços e preços diferenciados. Escolha conforme sua expectativa que pode ser o conforto, o preço, a segurança que a empresa transmite ou o horário do vôo.
  • Para onde você vai? Esteja certo de estar fazendo a melhor escolha para a época que você vai fazer a viagem. Por exemplo: se você não gosta de frio, evite a Europa e a parte norte da América do Norte entre dezembro e março. Se quiser ir para o Caribe, fuja da época dos furacões (agosto a outubro). Se você quer melhores preços, consulte sempre quando é a baixa estação no destino.
  • Se o seu objetivo é fazer turismo de compras, opte pela América do Norte e na época das liquidações, em geral no fim de cada estação. Lembre-se de que lá é o contrário daqui: o inverno termina quando começa o nosso verão.
  • Se você vai para um destino exótico, saiba antes como funciona a viagem. Lugares exóticos não são como os outros. Você pode ter de fazer esforços físicos além do que pretende e pode não ter hotéis do nível que espera. Você tem de ter cuidados especiais com a alimentação e talvez precise tomar vacinas.
Documentos em ordem
  • Alguns países exigem vacina contra febre-amarela. Se você for para um deles, vacine-se dez dias antes do embarque porque as reações à vacina podem ocorrer durante todo esse período.
  • Ao receber a passagem, confira todos os dados: nome, data, número dos vôos, horários. Essa providência pode evitar dissabores durante a viagem.
  • Identifique a mala do seu jeito. Exagere. Cole adesivos, amarre fitas, seja diferente. É a melhor maneira de sua mala não ser confundida com outra parecida nas esteiras dos aeroportos. Não deixe de colocar seu nome, telefone e endereço completo, externa e intenamente, para o caso de extravio.
  • Para completar a documentação, não se esqueça de levar sua carteira de motorista. Mesmo que você não pretenda alugar um carro, sempre pode aparecer uma oportunidade - e será uma pena desperdiçá-la por falta de habilitação.
  • Providencie seu passaporte com a máxima antecedência possível. A burocracia pode tornar o processo mais lento do que parece. Evite o “auxílio” de despachnates, a não ser em emergências, porque pode sair muito caro.
  • Se você já tem um passaporte, verifique o prazo de validade, para não correr o risco de que ele expire durante sua viagem. Alguns países só concedem vistos se a validade do passaporte se estender pelo menos seis meses depois da viagem.
  • Verifique se os países que você vai visitar exigem vistos. Providencie a documentação para conseguí-los com antedência. Alguns países só têm representações diplomáticas em Brasília, o que significa mais tempo de espera.
A lição de casa
  • Atenção para o calendário: confira a data em que você vai estar em determinado destino não é um feriado local. Cada lugar tem feriados nacionais próprios e, se estiveres por lá num deles, compras e passeios podem ficar comprometidos.
  • Se você vai para uma cidade, compre um bom mapa antes mesmo de definir o hotel onde ficará hospedado. Localize-se, veja onde ficam seus pontos de interesse e, só então, escolha o hotel. Pode-se perder boa parte do tempo se o hotel for mal localizado ou distante do centro.
  • Uma boa viagem começa muito antes do embarque. Faça lição de casa. Leia tudo o que puder sobre os lugares que vai visitar. Compre livros e guias. Informe-se sobre costumes e hábitos. Viajantes desinformados acabam perdendo o melhor da viagem.
O dinheiro da viagem
  • A moeda internacionalmente aceita é o dólar americano. Compre uma parte em dinheiro, de fontes confiáveis. Peça dinheiro trocado e evite notas de 100 dólares que são aceitas com desconfiança, especialmente nos Estados Unidos, onde ninguém usa notas de tanto valor.
  • Leve um ou mais cartões de crédito internacionais. Eles são bem aceitos em quase todos os lugares do mundo. Tenha o número dos cartões e o telefone da empresa emissora anotados para comunicar-se em caso de extravio.
  • Leve uma parte do dinheiro em cartões de débito pré-pago. É mais seguro, uma vez que em caso de furto você pode cancelá-los. Anote sua numeração. Os cartões de débito pré-pago são tão confiáveis que alguns bancos e casas de câmbio no exterior pagam por eles taxas de câmbio ligeiramente maiores até do que as que oferecem por papel-moeda.
  • Leve uma reserva em reais para as pequenas despesas no aeroporto, na partida e na chegada, como as taxas de embarque, por exemplo.
  • Leve, se possível, algum dinheiro trocado na moeda de seu primeiro destino. Afinal você pode ter pequenas despesas - gorjetas, no mínimo - antes de trocar seus dólares no lugar de desembarque.
  • Nunca transporte todo o dinheiro num só lugar. Divida-o em duas ou três carteiras e carregue uma parte consigo num money port - aquela sacolinha que se leva debaixo da roupa. Essa é a melhor forma de você não ficar sem dinheiro no caso de furto ou assalto.
Cuidados com o que fica
  • Antes de viajar, suspenda a entrega de jornais. Jornais acumulados na porta avisam aos ladrões que os moradores estão viajando.
  • Considere a hipótese de comprar um timer, que acende e apaga as luzes da sua casa em horas determinadas, para não dar a impressão de que ela está desocupada.
  • Informe um vizinho de sua confiança sobre a viagem, de modo que ele observe qualquer movimentação estranha na sua ausência.
  • Pague as contas antecipadamente ou combine com um amigo que o faça. As multas por atraso de pagamento são muito altas.
A hora da bagagem
  • Como regra geral, não ponha na mala nada que você detestaria perder. Itens essenciais têm de estar sempre junto com você. Os passageiros deverão despachar em sua bagagens de porão todo e qualquer objeto metálico ou pontiagudo, tais como: tesouras, tesourinhas, mesmo que pequenas, alicates, cortadores de unha, abridores de envelope e inças. Aqueles que possuírem apenas bagagem de mão ficam impossibilitados de transportar tais objetos.
  • Componha sua bagagem de uma mala para despachar (com rodinhas é melhor) e uma maleta de mão. Lembre-se que você só tem duas mãos para carregar. Além disso tenha dois nécessaires - um para medicamentos, outro para artigos higiênicos.
  • Componha sua bagagem de uma mala para despachar (com rodinhas é melhor) e uma maleta de mão. Lembre-se que você só tem duas mãos para carregar. Além disso tenha dois nécessaires - um para medicamentos, outro para artigos higiênicos.
  • Leve um saco plástico para armazenar roupa suja e/ou molhada, porque muitas vezes não dá tempo para secá-las, especialmente numa viagem de muitos destinos.
  • Não exagere na bagagem. Leve somente o essencial. Malas grandes são grandes estorvos. Pouca bagagem é mais leve e mais fácil de controlar.
  • Não perca tempo embalando sabonetes e xampus, a não ser que você vá ficar em albergues ou hotéis bed & breakfast. Os hotéis, em geral, fornecem estas coisas a seus clientes.
  • No necessaire de higiene, leve produtos pequenos e descartáveis. Assim você poderá livrar-se deles antes de voltar e ter mais espaço para trazer souvenires.
  • No necessaire de medicamentos, leve produtos para primeiros socorros, analgésicos, antiácidos, anti-inflamatórios, medicamentos contra enjoo e para desarranjos intestinais, colírio e seu antigripal preferido.
  • Se você estiver viajando com companhia, faça as malas misturadas. Assim, se uma delas for perdida, haverá alguma roupa para ambos no destino.
Identificação das malas
  • Antes de despachar a mala, arranque as identificações colocadas por companhias aéreas em suas viagens anteriores. Elas podem confundir o pessoal que manuseia a bagagem no aeroporto.
  • Na maleta de mão, leve as necessaires e uma muda de roupas como garantia. Leve também os documentos, óculos escuros e de grau, e um casaco para evitar sentir frio na chegada ou o ar-condicionado do avião.
A precaução com os remédios
  • Lembre-se de que é complicado comprar remédios no exterior sem receita médica e, em muitos lugares, as prescrições de médicos brasileiros não são compreendidas nem aceitas. Mesmo assim, peça uma receita para que seus remédios estejam documentados.
  • Se você toma medicamentos específicos (antibióticos, antidepressivos ou remédios para doenças crônicas) faça um estoque para a viagem.
  • Se você usa lentes de contato, leve um par extra ou um estoque de lentes descartáveis.
  • Transporte os medicamentos em suas embalagens originais, para que as autoridades de outros países saibam que não são drogas proibidas.
Seguros
  • A sua bagagem está automaticamente assegurada mas, no caso de extravio, em viagens internacionais, o valor pago é pelo peso da bagagem extraviada - seja normal ou excedente (somente se o passageiro tiver o comprovante de pagamento do excesso) - não são ressarcidos os valores dos artigos faltantes. O valor do quilo é de vinte dólares americanos. Nas viagens nacionais, o valor da indenização varia entre as companhias aéreas e deve ser consultado. Se você quiser uma cobertura maior, consulte seu agente de seguros.
  • Leve com você um seguro médico de validade internacional. Esse tipo de seguro pode ser feito por prazos determinados e é sua garantia no caso de uma emergência de saúde no exterior.
  • Nos Estados Unidos, ao alugar um carro, pegue o seguro chamado LDW (Loss Damage Waiver), para evitar dor de cabeça e prejuízos altos em qualquer batidinha.
  • Pague mais por um seguro sem franquia. Opte por aqueles que pagam diretamente aos hospitais e médicos no exterior, para que você não tenha que pagar tudo antecipado e ser reembolsado apenas quando voltar ao Brasil.
  • Se você for alugar um carro no exterior, os seguros são opcionais e caros em relação à tarifa de aluguel. Mesmo assim, não deixe de fazer pelo menos um seguro contra terceiros.
A hora do embarque
  • Chegue duas horas antes do horário de partida nos vôos internacionais. Se você não quiser pegar fila no check-in, adiante ainda mais meia hora. Nos vôos charter, em geral, o comparecimento é solicitado com 3 horas de antecedência.
  • É proibido fumar durante os vôos e mesmo dentro de alguns aeroportos. A hora de definir o seu assento é durante o check-in. As atendentes das boas companhias geralmente perguntam a sua preferência. Outras definem qualquer lugar se você não pedir.
  • Em alguns aeroportos é possível revestir e lacrar as malas com filmes de plástico. São bons, porque protegem a mala da sujeira e oferecem uma relativa segurança de que ela não será violada.
  • Faça o check-in o mais cedo possível. Você se livra do problema das malas e tem mais tempo para responder o questionário que muitas empresas estão adotando em nome de sua segurança (eles perguntam quem fez suas malas, se você as deixou desacompanhadas em algum momento, etc.).
  • Não deixe malas ou maletas desacompanhadas por um minuto sequer. Ladrões de bagagem existem em todos os países do mundo.
  • Não faça compras no free-shop na partida do Brasil. Você encontrará esses produtos na volta e não passará a viagem carregando peso desnecessário.
  • Vá ao banheiro antes do embarque. Muitas vezes pode levar um bom tempo até que o avião decole e se estabilize. Só então você vai poder usar o toalete de bordo.
O cuidado com seus equipamentos
  • Ao passar para a sala de embarque, seus pertences serão submetidos ao aparelho de raio X. Não se preocupe, porque o equipamento não danifica os filmes fotográficos que estiverem na maleta de mão.
O voo
  • Avião não é passarela de moda. Esqueça o terno ou o vestido exibido e viaje com roupas confortáveis, especialmente em vôos longos.
  • Em vôos noturnos, acorde cedo e faça sua higiene antes do café da manhã. Quanto mais cedo acordar, menos fila para o banheiro você vai encontrar.
  • Nem sempre é possível, mas, se der, coloque a maleta no chão e apoie os pés para eles ficarem um pouco mais altos. Melhora a circulação sangüínea.
  • Para dormir, evite comer muito (há companhias aéreas que informam quais são os pratos mais facilmente digeríveis). Não exagere no álcool.
  • Se o sono não vier, dê uma caminhada a bordo a cada hora. Vai melhorar sua circulação e você se sentirá menos estressado.
  • Se você gosta de dormir a bordo, aumente deu conforto com máscaras corta- luz, tampões de ouvido e meias de viagens.
O desembarque no destino
  • Calma! Tudo é diferente, tudo é novo. Mas não se afobe, nem tente entender tudo o que está acontecendo no momento do desembarque. Mesmo que o policial da imigração pareça seu inimigo, a função dele é essa mesmo. Em poucos momentos você estará liberado.
  • Há lugares onde é mais conveniente pegar trem, metrô ou ônibus, mas você precisa se informar onde vai ser deixado, para não acabar tendo de fazer duas operações de transporte.
  • Se houver bancos abertos no aeroporto, troque uma pequena parte do dinheiro para as primeiras despesas. Depois, na cidade, procure as melhores taxas de câmbio com calma.
  • Se você tem traslado incluído no pacote, muito bem. Caso contrário, primeiro pense num táxi. Se você achar muito caro, veja as outras opções.
  • Tenha sempre anotados os endereços e telefones locais da companhia aérea pela qual você está viajando e do consulado do Brasil (se houver). Eles podem ser úteis no caso de extravio do passaporte ou da passagem.
O aluguel de carro
  • Não seja espertinho: contravenções no exterior podem significar multas caras (algumas até cadeia). Respeite os limites de velocidade e permaneça à direita até se acostumar com o trânsito local.
  • Prefira não alugar carros na Inglaterra e em outros países com mão de direção invertida. Você acaba se acostumando, mas, em geral, tarde demais para aproveitar a viagem.
  • Se você pretende alugar um carro e rodar com ele, não se deixe seduzir pelas lindas vans. Para sua segurança, é melhor pegar um carro com porta-malas fechado e não deixar a bagagem exposta quando você estacionar o carro.
  • Veja antes de viajar, o significado de placas internacionais para não ser surpreendido por símbolos que você nunca viu.
A chegada ao hotel
  • Ainda sobre eletricidade. As tomadas variam conforme o país. Se o aparelho não encaixar na tomada, peça um adaptador na recepção. Os bons hotéis sempre têm.
  • Confira a limpeza do quarto. A melhor maneira de fazê-lo é verificar o banheiro. Banheiros não impecáveis são um mal sinal. Se necessário exija um quarto limpo.
  • Informe-se sobre a qualidade da água que sai das torneiras. Se possível, opte pela água mineral. O sabor e a cor da água podem variar de país para país, o que não significa, necessariamente, que ela seja de má qualidade.
  • No exterior é comum haver canais de televisão paga, ou seja, se você sintonizar um deles, vai ter de pagar pelo que vê e, às vezes, não é pouco. Em geral, há advertências a esse respeito no próprio monitor. Fique atento.
  • Se você chegar muito cedo pela manhã, seu quarto pode não estar disponível. O check-in padrão ocorre ao meio-dia. Nesse caso, peça para o recepcionista guardar as malas e dê sua primeira caminhada no destino.
  • Veja a questão do cofre: alguns hotéis têm cofres em todos os quartos, outros dispõem de um cofre único. Guarde seus valores e transporte a chave num lugar seguro, se possível atada a seu corpo. Essa regra vale para todos os países.
  • Verifique sempre a voltagem do lugar para evitar perder seus aparelhos elétricos como: barbeador, secador de cabelo, rádio, etc.
O primeiro passeio
  • Antes de se aventurar pelas ruas, peça um cartão do hotel. Se você se perder, entre num táxi, mostre o cartão e tudo estará resolvido.
  • Evite uma programação intensiva no primeiro dia. Tente se organizar, se localizar e arrumar suas coisas com método, para não esquecer nada na hora de ir embora.
  • Vista uma roupa que o confunda no meio da multidão. Evite exageros, que vão fazer todo mundo reconhecê-lo como turista. Não dê bandeira.
Refeições
  • Em lugares quentes ou com problemas de refrigeração, evite saladas e comidas cruas. Quanto às frutas, coma apenas aquelas que você mesmo puder descascar.
  • Pergunte o que vem no prato que consta do cardápio para evitar surpresas desagradáveis.
  • Se você estranhar a comida, recorra ao velho prato de massas ou a uma sopa, que existem em quase todos os lugares.
  • Vá devagar com a comida local. Condimentos diferentes podem lhe causar mal-estar . Comece com pratos mais leves e vá se habituando aos poucos.
Os segredos da gorjeta
  • Gorjetas variam conforme a cultura do país visitado. Em alguns lugares, elas são vistas como uma recompensa por bons serviços. Em outros, elas são esperadas em qualquer circunstância. Há lugares onde a gorjeta pode ofender seu interlocutor. Leia e informe-se sobre os hábitos de recompensa no destino que você escolher.
  • Referências genéricas de gorjeta: 1 dólar por mala para o carregador, 10 a 15% no táxi, nos bares e restaurantes (se não vier incluída na conta), 1 a 2 dólares para camareiras e room service nos hotéis.
O respeito aos horários
  • Para não ficar sozinho nos restaurantes, confira os horários do almoço e do jantar no destino. Em alguns países janta-se muito cedo e os restaurantes também fecham cedo. Noutros, a praxe é jantar mais tarde. Siga os hábitos locais, para não passar fome ou vexame.
  • Seja pontual nos compromissos. Na maior parte dos países não se tolera aquele atrasozinho de dez minutos que aqui não faz diferença.
  • Verifique os horários de funcionamento do comércio e dos bancos. Eles variam de lugar para lugar. O mesmo raciocínio vale para museus e outras atrações.
Ligações para o Brasil
  • Ligar para o Brasil do hotel é, em geral, uma grande roubada. As taxas cobradas pelos hotéis são quase sempre exageradas. Ligações a partir de aviões ou navios também têm valor exorbitante ( em torno de 15 dólares o minuto). Use esses telefones apenas em caso de emergências.
  • Na maior parte dos casos, o melhor mesmo é comprar um cartão telefônico do lugar onde você está ou ligar de um telefone público que aceita cartões de crédito (existente na maioria dos países desenvolvidos).
  • Onde quer que você esteja, sempre é mais barato usar telefone público ou procurar a central telefônica da cidade. Em quase todos os países ligar a cobrar também é desvantajoso. Quando você usa o serviço a cobrar (collect-call), o valor da ligação será cobrado conforme a tarifa da Embratel, geralmente mais cara do que a de empresas estrangeiras.
Dicas de compras
  • Regra número 1: compare preços e pechinche. Em qualquer lugar do mundo, você pode conseguir um preço melhor com um pouco mais de esforço.
  • Regra número 2: programe sua viagem de modo que as compras ocorram no último dia. É terrivelmente incômodo carregar pacotes durante as férias. Antes disso, compre apenas os souvenires que você for encontrando pelo caminho.
  • Regra número 3: há produtos de boa e má qualidade em todos os lugares. Não pense que só porque você está na Europa ou nos Estados Unidos um produto vendidos em estabelecimentos informais (feiras ou ambulantes) é ótimo.
  • Regra número 4: informe-se para não levar gato por lebre. Por exemplo: aparelhos de televisão importados nem sempre funcionam no sistema brasileiro, que é o PAL M.
  • Regra número 5: exija sempre o recibo. Além de ser sua garantia, ele pode valer dinheiro nos países que devolvem o imposto (veja próximo item).
O dinheiro de volta
  • Dose com cuidado o dinheiro trocado em moeda estrangeira. Fora o dólar, não vale a pena ficar com grandes quantias de nenhuma outra moeda, a não ser que você esteja planejando voltar brevemente ao destino. Lembre-se de que, sempre que você troca moedas, você perde dinheiro pela diferença entre o câmbio de compra e o de venda e pelas comissões cobradas pelo banco.
  • Em diversos países você pode receber de volta o valor do imposto embutido no produto, que varia de 8 a 15%. Esse processo se chama detax. Você apresenta os recibos (em alguns países também os produtos) no aeroporto (informe-se onde são os guichês de detax) e recebe o dinheiro de volta. Em alguns lugares você recebe o dinheiro na hora. Em outros, o dinheiro é enviado para sua casa pelo correio.
  • Lembre-se de que conhecer um lugar não é apenas fazer compras e tirar fotografias, mas comer sua comida, ver sua televisão, observar os hábitos do povo e fazer o que eles fazem para se divertir. Mergulhe no destino de corpo e alma para não se arrepender, depois, de ter perdido o melhor da festa.
  • Telefone para a companhia aérea dois dias antes do seu vôo de retorno para confirmar a passagem. O procedimento é obrigatório, mesmo que no tíquete apareça a palavra confirmed.